Loading...

2 de junho de 2010

RESUMO DOS JORNAIS: ESTADÃO



Manchete: Conselho da ONU critica Israel e cobra investigação

Declaração sobre a sangrenta ação contra barcos de ativistas pró-palestinos evita culpar só os israelenses

O Conselho de Segurança da ONU divulgou declaração em que diz lamentar “profundamente” as nove mortes na ação israelense contra uma frota de ativistas pró-palestinos que tentou furar o cerco a Gaza. O texto, elaborado após negociações que se estenderam pela madrugada, usa linguagem que evita responsabilizar apenas Israel pelo ocorrido, como defendia a Turquia. Além disso, os turcos não conseguiram fazer com que o conselho acusasse Israel de violar leis internacionais. Mas os termos do documento foram mais duros do que queriam os EUA - ele exige que Israel libere os barcos e os civis detidos e pede investigação imediata, imparcial, crível e transparente de acordo com os padrões internacionais". Na avaliação do conselho, "a situação em Gaza é insustentável". O governo israelense decidiu que o processo de deportação dos ativistas estrangeiros presos seja concluído até amanhã. (Págs. 1 e Internacional A10 e A13)

Condenação

Ahmet Davutoglu
Chanceler Turco

"Os israelenses acreditam estar acima de qualquer lei"
 
Militares israelenses admitem erros

Militares israelenses reconheceram ter cometido erros de inteligência e estratégia na abordagem dos barcos com ativistas pró-palestinos que tentaram furar o bloqueio a Gaza. "Não esperávamos essa resistência dos ativistas, já que estávamos falando de um grupo de ajuda humanitária", disse o chefe da equipe de embarque. A imprensa israelense criticou duramente a operação, qualificando-a de "fiasco" e “confusão". (Págs. 1 e Internacional A10)

Foto legenda: Carga. Oficiais israelenses examinam caixa de brinquedos encontrada em um dos navios: boa parte da ajuda humanitária foi liberada. (Págs. 1 e A11)

Central faz campanha política em ato sindical

Em evento custeado pelo imposto sindical, descontado do salário dos trabalhadores, Força Sindical, CUT, CGTB, CTB e Nova Central pregaram ontem, na assembleia da Conferência Nacional da Classe Trabalhadora, no Pacaembu, a continuidade do governo Lula. Sindicalistas alertaram para um possível "retrocesso", em referência ao pré-candidato do PSDB à Presidência, José Serra. O evento custou R$ 800 mil e reuniu 15 mil pessoas. (Págs. 1 e Nacional A4)

'Como Getúlio e Perón'

Para o professor Leôncio Martins Rodrigues, a cooptação de entidades sindicais faz parte dos esquemas populistas: "No Brasil, o Estado sustenta os sindicatos". (Págs. 1 e Nacional A4)

Previ muda e vai investir em infraestrutura

O mais poderoso fundo de pensão do País, a Previ, dos funcionários do Banco do Brasil, deu posse ontem a 27 novos diretores e conselheiros e começou uma nova fase. O foco agora deverá ser aumentar os investimentos em infraestrutura, setor que vem aglutinando os esforços do governo em torno de projetos de grandes obras. (Págs. 1 e Economia B1)

PUC compra área tombada na Paulista

Os edifícios que abrigaram o Hospital Matarazzo, na região da Avenida Paulista, foram comprados pela PUC de São Paulo e por um fundo de investimentos. Os prédios abrigarão um câmpus da PUC. O restante da área será explorado comercialmente pelo fundo, mas o tombamento será mantido. (Págs. 1 e Cidades C1)

Vacinação contra gripe não atinge meta (Págs. 1 e Vida A14)

Celso Ming: Mais desemprego

Paradoxalmente, a crise do desemprego tende a se acentuar no mundo desenvolvido pelos fatores que pretendiam atenuar seu impacto. (Págs. 1 e Economia B2)

Notas & Informações: Reação desproporcional

Foi insana a decisão israelense de abordar em águas internacionais o Mavi Marmara. (Págs. 1 e A3)

Nenhum comentário: