Loading...

14 de junho de 2010

RESUMO DOS JORNAIS: VALOR ECONÔMICO



Manchete: Brasil vai puxar produção agrícola
O Brasil terá de longe o mais rápido crescimento da produção agrícola no mundo nos próximos dez anos, com expansão superior a 40%, o dobro da média mundial, comparado ao período 2007/9, segundo relatório de perspectivas agrícolas que a Agência para Agricultura e Alimentação das Nações Unidas (FAO) e a Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE) publicarão amanhã.

O país se firmará como grande celeiro do mundo, segundo as projeções de produção, consumo, estoque, comércio e preços para 2010/19 analisadas no estudo, ao qual o Valor teve acesso. Nesse período, a FAO e a OCDE esperam maior crescimento econômico global, com aumento da demanda e do comércio, além de preços elevados para os produtos agrícolas no médio prazo. (Págs. 1 e B16)

Renner aposta em decoração e moda jovem
Duas novas redes de varejo estão nos planos do presidente da Renner, José Galló. Um projeto é a Renner Casa, de artigos de cama, mesa, banho e decoração, que se justificaria pelo aumento do interesse do consumidor por artigos de decoração. A outra ideia é uma bandeira de moda jovem. "Poderíamos usar a nossa marca para esse público, a Blue Steel", diz Galló. Seria uma investida para concorrer com a Hering e a C&A.
Como outras empresas do setor, a Renner trabalha com vários formatos de lojas e já anunciou para o segundo semestre a abertura de duas unidades compactas. Ao flexibilizar o tamanho dos pontos de venda, a varejista abre oportunidades para lojas de rua (atualmente são apenas oito) localizadas em cidades menores, com cerca de 250 mil habitantes. (Págs. 1 e B4)

Foto legenda: Na trilha do cobre
Depois de mais de 10 anos sem investimentos de monta, a Paranapanema planeja aplicar R$ 500 milhões até 2013 para modernizar as linhas de produção, afirma Luiz Antonio Ferraz. (Págs. 1 e B10)

País perde apoio em Washington
O Congresso dos EUA pode extinguir, até o fim do ano, o benefício que permite a exportadores brasileiros vender bens e serviços, no valor de US$ 3,5 bilhões por ano, sem imposto de importação. O mecanismo, concedido por países ricos a economias de menor porte no âmbito do Sistema Geral de Preferências (SGP), favorece até 17,4% das vendas do país aos americanos. O fim do benefício é uma das possíveis consequências da ação diplomática brasileira no Irã. Outra, mencionada por especialistas e fontes oficiais, diz respeito ao etanol, produto que o Brasil não consegue exportar para os EUA por causa de uma sobretaxa. Nos próximos meses, o Congresso votará a manutenção ou não dessa sobretaxa. Principal defensor da liberação do etanol brasileiro, o líder do Partido Republicano na Comissão de Relações Exteriores do Senado, Richard Lugar, perdeu força para continuar apoiando o Brasil.
Segundo o Valor apurou, o governo americano buscará pontos de acordo com o Brasil e acredita que o próximo governo no país reduzirá a importância do Irã na política externa brasileira. Acredita-se, em Washington, que a aproximação com o Irã foi uma decisão pessoal do presidente Luis Inácio Lula da Silva, mais que o interesse da diplomacia ou das forças políticas no Brasil. (Págs. 1 e A3)

Alianças do PT e do PSDB em crise
O balanço das convenções até agora realizadas mostra que o PT repete a sina do PSDB na aliança com o PMDB. Caíram de 17 para 11 os palanques próprios dos petistas. Na aliança com os pemedebistas em 2002, os tucanos também cederam espaço. Este ano PSDB terá 17 palanques próprios, o PMDB, 15 e o PT, 11. Em 8 haverá embate direto entre petistas e pemedebistas. O PMDB deve se aliar ao PSDB em cinco Estados. Já os tucanos enfrentam dificuldades com o DEM, que ameaça não formalizar a aliança entre as duas siglas se o escolhido para vice-presidência não for um integrante do partido.
Na convenção do PT, a agora candidata Dilma Rousseff fez um discurso focado em genéricas propostas de "continuidade da mudança". Coube ao presidente Lula as tarefas de atacar a oposição e rebater os discursos da véspera feitos na convenção que formalizou a candidatura de José Serra. O tucano também fez promessas - como a de elevar investimentos e cortar juros e a carga tributária - sem detalhar como pretende atingir as metas. As convenções foram organizadas de forma a privilegiar a gravação das cenas que serão usadas nas campanhas de televisão. (Págs. 1 e A6 a A9)

Reunião de Bonn debate fundo mundial de patentes. (Págs. 1 e A10)

Cientistas apostam na clonagem para salvar espécies ameaçadas de extinção (Págs. 1 e B2)

Reduzir a pobreza é meta de Echeverry, provável futuro ministro da Colômbia (Págs. 1 e A16)

Fundos se acertam em Belo Monte
O FI FGTS, fundo de investimento em infraestrutura do FGTS, e os fundos de pensão Previ, Petros e Funcef terão, direta ou indiretamente, cerca de 30% do consórcio Norte Energia, dono da usina de Belo Monte. (Págs. 1 e B1)

Cisco reorganiza o negócio
A Cisco, líder mundial em infraestrutura para telecomunicações, pretende centralizar a importação de seus equipamentos no Brasil. (Págs. 1 e B3)

China se rende aos Zegna
Crescimento da economia chinesa alavanca o consumo de luxo no país, que já representa um quarto do faturamento mundial da grife italiana de moda masculina Ermenegildo Zegna. (Págs. 1 e B4)

CSA inicia produção
Após cinco anos de obras e US$ 6,6 bilhões - 80% mais que o previsto -, entra em operação na sexta-feira a Cia. Siderúrgica do Atlântico, construída pela alemã ThyssenKrupp e a Vale. (Págs. 1 e B9)

Uniformidade acelera negócios
Com o apoio da FAO-agência das Nações Unidas para agricultura e alimentação -, Brasil lidera iniciativa para harmonizar a classificação, registro e produção de rações animais na América Latina. (Págs. 1 e B15)

Ações sob controle
Depois do “circuit breaker”, a Securities and Exchange Commission avalia regular a velocidade das ordens de compra e venda de ações, como parte do esforço para ampliara controle sobre mercados eletrônicos. (Págs. 1 e C2)

Estratégia segmentada
Líder brasileira em seguro de automóveis e residências, a Porto Seguro Itaú Unibanco, resultado da fusão entre as duas seguradoras em agosto de 2009, descarta a unificação de suas marcas. (Págs. 1 e C12)

Mercado automático
Depois de conquistar os fundos de investimento e os grandes investidores institucionais, corretoras passam a oferecer sistemas de algoritmos para orientar estratégias de clientes pessoa física. (Págs. 1 e D1)

Caça aos talentos
O Brasil não dispõe de um número suficiente de profissionais qualificados para acompanhar seu desenvolvimento econômico nos próximos anos, diz Alistair Cox, CEO da Hays, uma das maiores empresas de "headhunter" do mundo. (Págs. 1 e D10)

TJ do Paraná ajuda devedores
Inspirado em experiência semelhante no Rio Grande do Sul, o Tribunal de Justiça do Paraná lança mutirão para promover acordos entre empresas credoras e consumidores endividados. (Págs. 1 e E1)

Ideias
Luiz Werneek Viana
O futuro fez sua aparição nesta sucessão presidencial com o discurso com que Marina Silva lançou-se pelo PV. (Págs. 1 e A9)

Ideias
Luiz Carlos M. de Barros
Agravamento da crise europeia pode interromper a recuperação nos EUA e golpear a economia mundial. (Págs. 1 e A15)

Primeira Página
Brasil vai puxar produção agrícola
País perde apoio em Washington
Alianças do PT e do PSDB em crise
Fundos se acertam em Belo Monte

Editorial
Briga pelos royalties poderia viabilizar a reforma tributária

Opinião
Frase do dia
Lula prejudica reputação do Brasil :: Mary Anastasia O'Grady
Exclusividade no consignado: prática do mercado bancário :: Paulo Rogério Caffarelli

Colunas
Sergio Leo
Luiz Werneck Vianna
Luiz Carlos Mendonça de Barros
Eduardo Campos
Daniele Camba

Política
Curtas
Marina Silva dividirá palanque com Dilma em seu Estado natal
Balanço prévio mostra que PSDB tem 17 cabeças de chapa, PMDB, 15, e PT, 11
Lula rebate oposição e deixa Dilma com propostas de governo
Minas e Maranhão lideram contenciosos
O discurso petista
Sem vice, DEM ameaça deixar aliança tucana
Na convenção, Serra molda contundência que usará na TV
O discurso tucano
Alckmin diz que Serra anda sem garupa em SP

Brasil
Curtas
Nova terra indígena não tem data para demarcação
Governo dos EUA crê que sucessão mudará relação entre Brasil e Irã
Brasil pode perder benefício nos EUA
Total de importadores cresce 15% e compras ficam mais frequentes
Pequenas e médias atraem negócios de tradings
Divergências entre partidos continuam

Internacional
ONU quer fundo de patentes para alavancar ação climática
Bancos elevam crédito a emergentes, diz BIS

Especial
'Precisamos do Brasil', diz economista cotado a ministro na Colômbia
Uribe melhora clima para investidores
Pesquisa mostra Santos com 40 pontos de vantagem

Empresas & Tecnologia
Previ, Petros, Funcef e FI FGTS são os novos sócios de Belo Monte
Destaque
Camargo amplia negócios na África
Paranapanema faz plano para investir R$ 500 milhões
Mineradora ganhou projeção com a extração de estanho
Curtas
Brasil vai puxar produção agrícola


Carreira
Brasil precisa investir mais na formação de talentos


Finanças
Banco médio derruba exclusividade do BB
Instituição federal diz que operação está dentro da lei


Investimentos
Analistas apostam em nova alta de commodities
América Latina apresenta resgates de US$ 401 milhões no mês de maio
Emergentes têm captação de US$ 1,1 bi na semana
União Vivo e Telesp será regida pelo fisco
Crescimento da fixa vira argumento da Telefónica


Agronegócios
Curtas
Regra da UE busca assegurar biocombustível sustentável
América Latina quer padrão para a ração
Emergentes embalam avanço agrícola
Entressafra faz preço de café disparar


Legislação & Tributos
Procuradores cobram na Justiça débitos inscritos no Refis da Crise


The Wall Street Journal Americas
Problemas na Europa são ameaça para setor industrial da Ásia

Nenhum comentário: